search
BlogArtigos

Fraudes financeiras: principais ações e como ev...

Fraudes financeiras: principais ações e como evitá-las

Atualizado em 19 de abril de 22 | Artigos  por

Rômullo Martins

As fraudes financeiras podem ser entendidas como golpes, enganos ou qualquer tentativa de obter vantagem em dinheiro sobre uma determinada pessoa ou empresa. 

Geralmente são situações em que aquilo que foi proposto, seja um produto, serviço ou retorno, não é entregue.

No mercado financeiro, esse problema é bastante recorrente. No ano passado, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), em parceria com a Bolsa de Valores, lançou uma campanha nas redes sociais para alertar o público sobre estas práticas, que infelizmente acontecem com cada vez mais frequência.

Um dos fatores determinantes para esse crescimento foi a transformação nos hábitos de consumo da população em decorrência da pandemia causada pela COVID-19. 

Com as medidas restritivas impostas e grande parte dos estabelecimentos fechados, ou com um funcionamento parcial, boa parte das pessoas se viram na obrigação de buscar meios digitais para fazer suas compras e realizar demais transações.

Para se ter uma ideia, somente em 2021, 12,9 milhões de brasileiros compraram pela internet pela primeira vez, segundo dados NielsenIQ em um artigo publicado pelo Canaltech.

Mas, essa mudança resultou também em um aumento importante nas fraudes financeiras realizadas pelo meio digital.

Tendo em vista esse contexto, falaremos neste conteúdo quais são os principais tipos de fraudes financeiras e como você pode evitá-las.

Tipos de fraudes financeiras

1. Clonagem de cartão

Em 2020, o Brasil foi líder absoluto no vazamento de dados de cartões, é o que indica o Relatório Anual 2020 de Atividade Criminosa On-line no Brasil, elaborado pela empresa de cibersegurança Axur.

De acordo com a pesquisa, o país representou sozinho mais de 45% do total de casos registrados no mundo.

Nessa ocasião, os dados confidenciais do cartão são expostos e utilizados por criminosos para fazer compras. 

Algumas práticas podem evitar que esse problema aconteça, dentre elas pode-se destacar:

  • Não compartilhar o cartão de crédito ou débito com ninguém;
  • Configurar a confirmação de compras via SMS ou push;
  • Não fazer compras em sites desconhecidos;
  • Para compras presenciais, observar se a máquina do estabelecimento não possui qualquer acessório extra na parte em que o cartão é inserido;
  • Sempre que possível, fazer os pagamentos por aproximação (tecnologia contactless);
  • Acompanhar os extratos periodicamente.

2. Pirâmide ou Marketing Multinível

Uma das principais e mais conhecidas fraudes financeiras é a chamada Pirâmide. Nesse esquema, grandes retornos financeiros são prometidos e até mesmo entregues em um primeiro momento, para isso basta convidar outras pessoas para participar do negócio. 

No golpe, a vítima acaba injetando um valor inicial em troca de ganhos acima do mercado, só que esse retorno nunca chega. Os líderes do negócio acabam sumindo e deixando um prejuízo financeiro.

Antes de fazer qualquer investimento, algumas informações podem ser verificadas para evitar que isso aconteça, como:

  • Buscar informações em órgãos reguladores como a CVM e o Banco Central;
  • Suspeitar se os lucros prometidos forem muito acima do mercado;
  • Consultar informações sobre a empresa e pessoas envolvidas nesse processo.

3. Roubo de dados 

Esse tipo de fraude pode acontecer tanto por ligação quanto pela internet. No primeiro caso, os criminosos ligam para a vítima se passando por um funcionário de uma empresa confiável, como um banco.

Informam que possuem benefícios pré-aprovados como limite para empréstimos e cartão de crédito, mas para liberar solicitam a confirmação dos dados pessoais.

Já no segundo caso, sites falsos são utilizados para capturar informações confidenciais do indivíduo. Normalmente, eles possuem uma aparência idêntica aos originais.

As recomendações são nunca informar dados pessoais por telefone e não clicar em links desconhecidos. 

Apesar de parecer simples, essa é uma das fraudes financeiras mais comuns na atualidade. Em 2021, mais de 150 milhões de brasileiros foram afetados, de acordo com uma publicação do Tecmundo.

4. Boletos falsos

Esse tipo de golpe ainda faz muitas vítimas.

É comum recebermos nossas contas por meio digital. Sabendo disso, os fraudadores enviam boletos como se fossem uma conta de luz, internet ou telefone, por exemplo, para o e-mail da vítima. 

Sem conferir o remetente, muitas vezes o indivíduo acaba fazendo o pagamento daquela dívida por achar que está em atraso ou até mesmo para evitar um possível pagamento de juros no futuro.

Entretanto, o valor pago acaba caindo na conta do fraudador. 

Nessa situação, o ideal é verificar os dados contidos no e-mail para ter certeza de que se refere realmente à empresa na qual a pessoa tem vínculo.

5. Práticas contábeis irregulares

Indo para um contexto mais empresarial, sabe-se que as organizações precisam declarar obrigatoriamente diversas informações.

Para estar em dia com órgãos como a Receita Federal, por exemplo, é imprescindível ter as informações contábeis bem organizadas.

Entretanto, muitas vezes isso não acontece por conta de fraudes financeiras que envolvem diversos processos da empresa, como por exemplo na compra de mercadorias.

Um exemplo disso é na emissão de notas fiscais acima do valor efetivo do produto ou serviço, prática que normalmente envolve prestadores de serviços.

Por essa razão, além da auditoria, práticas como a due diligence são fundamentais para fazer a checagem de pessoas e empresas e prevenir a associação com entidades inidôneas.

Essas checagens podem ser otimizadas através de uma plataforma de mineração de dados. Clique aqui para saber mais sobre esse tema.

6. Apropriação indébita de ativos

Conhecida como uma das fraudes financeiras mais comuns em empresas, a apropriação indébita de ativos ocorre quando um colaborador toma posse de recursos da empresa sem o consentimento da mesma. 

Aqui, além de um código de conduta, práticas de checagem podem ser eficientes para evitar a contratação ou a associação com pessoas que já possuam um histórico negativo.

Um bom exemplo disso é a adoção de background check de colaboradores. 

Desenvolvemos um checklist para você identificar cada uma das etapas da investigação de candidatos que podem ser realizadas antes das contratações. Você pode acessá-lo gratuitamente clicando aqui.

7. Alteração ou falsificação de documentos

Para estabelecer um vínculo comercial, geralmente é necessário formalizar o negócio. Com isso, os contratos são extremamente necessários.

Esse tipo de fraude consiste em alterar informações importantes em documentos, estes que podem ter valores financeiros.

Atualmente, com o modelo de assinaturas digitais, é possível ter um maior controle dos documentos da empresa e fazer revisões com muito mais precisão, evitando problemas.

Fale com nossos especialistas